terça-feira, 16 de junho de 2009

PANÓIAS- A MINHA TERRA





PANOIAS A MINHA TERRA

                             Panoias (Ourique)
É  uma freguesia do Concelho de Ourique, com 110,35 Km2 de area e 496 habitantes (2011).Densidade:4,5 hab/Km2.
É vila e foi sede de concelho até 1836, quando foi anexada ao municipio de Messejana.
Tinha em 1801, 744 habitantes.


História

Foi nos seus campos que no ano de 1139 se travou a célebre Batalha de Ourique. Conquistada aos mouros por Paio Peres Correia no ano de 1234,quaando o seu território pertencia ao dominio do Castelo de Aljustrel.
Foi doada à Ordem de Santiago pelo Rei D. Sancho II e confirmada pelo Rei D.Afonso III, elevada a Vila pela Ordem de Santiago e reconhecida pelo Rei a sua representação nas cortes desde o Sec.XIII com assento no banco 14. A Vila de Panoias aparece como uma das vilas mais importantes do então chamado Campo D`Ourique se tivermos em consideração que as posições que tomavam os seus representantes nos respectivos bancos, obedeciam à importância das suas terras encontrava-se lº Beja no banco 3;2º Moura no Banco 5; 3º Alcacer do Sal no banco 7; 4º Panoias e Garvão no Banco 14 e Ourique vem a seguir no banco 15. No reinado de D.Dinis, este monarca, implementou e desenvolveu a agricultura nos territórios da Vila, tornando-a num grande centro de produção agricola. Noa anos de 1288 e 1314 foram doadas terras pela Ordem de Santiago a D.Betaça  de Láscaris, neta de Teodoro II Láscaris, Imperador de Niceia e aia da Rainha D. Isabel de Aragão, tendo pela última doação sido feita Comendadeira e Senhora de Panoias.
Teve carta de foral novo, dada por D.Manuel I em Lisboa no dia l de Julho de 1512. No sec.XVI, D. Sebastião proviu a Vila de capitania mor de Ordenanças,, foi sede da lª companhia do Regimento de Auxiliares e Milicias da Antiga Comarca de Campo de Ourique.  Foi também nesta Vila e campos em redor que se travou no dia 14 de Agosto de 1833 , a Batalha de Panoias, entre Liberais e Miguelistas,vencida pelos Liberais, que na sequencia desta batalha sofreram, no diua 2 de Novembro de 1833, duro revés na Btalçha de Alcacer do Sal., tendo sido vários liberais fuzilados no que ficou conhecido como o massacre de Algalé em represália do nassacre perpetrado em Panoias. Na sequencia da derrota miguelista a viula perdeu o seu concelho no ano de 1836, quando era seu administrador interino o capitão Joaquim Romão Louro Palmer, liberal da Vila que tinha assegurado o governo do Municipio até à sua extinção. Foi depois integrada no concelho de Messejana até `à extinção deste ano de 1855, tendo depois passado a pertencer ao municipio de Ourique onde actualmente pertence.

FREGUESIA

É uma fréguesia rural de 1ª classe e nela se situam os lugares de S.Romão de Panoias, Torre Vã e Laborela

No território da freguesia fica situada a albufeira da Barragem do Monte da Rocha.


É freguesia administrativa desde 1836. Presentemente pertence à União das Freguesias de Panoias e Conceição


PONTOS DE INTERESSE TURISTICO

-Igreja Matriz de S.Pedro,reconstrução Sec.XVI(estilo barroco popular)
-Igreja de S.Romão de Panoias, com retábulo do sec.XVII oferecido pelo rei D.Pedro II de Portugal
-Albufeira e Barragem do Monte da Rocha
-Ponte Ferroviária da Quinta Nova (em cantaria)
-Buraco dos Mouros no Valverde
-Palacete da Torre Vã (Turismo Rural)

(elementos extraidos da Internete)
  

   
----------------------------------------------------------------------------------Fotos tiradas há já alguns anos...

És minha, e a mais bonita

E nada em ti eu trocava
ia Lá desde o "Barro Danado"
Até ao fim da " Ilha Brava"

(do livro "Ouro sobre o chão" deMaria Joaquina Rosa"

















______________________________________________________________________________
O PASSADO EM PANOIAS

Em 1936
Tenho uma pessoa de familia nesta foto.
Todos estes alunos devem ter 80  ou mais anos de vida

1942
O meu falecido pai, Casimiro Marques, era um dos organizadores. Na foto  está à esquerda , de 
frente



                                                     Casamento de meus pais Ana do Rosário
                                                         e Casimiro Marques

                                Meus pais Ana e Casimiro , meus tios Calixto e Maria Augusta e
                                                         primas Maria Victoria e Elvira
Meu pai, meu tio e meu avô Celestino Martins Albino

Minha mãe Ana, tia Maria Augusta e filhas Mª Victória e Elvira
e madrinha Ercilia


                                             TEMPOS QUE VOARAM...........................
______________________________________________________________________________

No antigo termo da Vila de Panóyas existiam as seguintes Igrejas_
      -Igreja Matriz de S.Pedro
   -Igreja da Misericordia
     -Igreja do Espirito Santo
                          -Igreja da Nossa Senhora da Piedade
 -Igreja de S.Romão    
Igreja de S.Antonio
Esta última tem uma particularidade curiosa, foi mandada construr no início do Sec.XVII  pelo                fidalgo Alvaro Pires de Tavora, que para tal pediu autorização `Ordem do Santiago, então sedeada no Convento de Palmela. Este  fidalgo era filho do Frei Luis Alvares de Távora que mandou construir a Igreja dos Grilos no Porto, onde se encontra sepultado.
O seu filho também foi sepultado na igreja que mandou construir em Panoyas terra que ele amava muito
(Artº de Jose Maria Ferreira_)_
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




_____________________________________________________________________________

Sem comentários: