terça-feira, 30 de junho de 2009

ARVORES DO ALENTEJO





                                      
                                       Horas mortas.....curvada aos pés do                                                monte
                                       A planície é um brasido...e,torturadas,                                       As árvores sangrentas , revoltadas,                                       Gritam a Deus a bênção duma fonte !
                                         Árvores !Corações,almas que choram,
                                        Florbela Espanca
HINO À OLIVEIRA
A cuja vista amiga me deleito
Muito iguais,alinhadas a preceito,
Dos batalhões da paz sois pioneiras
de Bello Morais
As azinheiras são das plantações mais vistas por todo o Alentejo.
Nasce expontaneamente em Portugal e adapta-se a qualquer tipo de solo. Embora se distribua um pouco por todo o país, é no interior alentejano que os montados de azinho ocupam mais área. É comum as azinheiras coexistirem com culturas agrícolas ou pastagens, e por vezes com sobreiros.
Árvore de porte médio, com uma altura entre os 8 a 15 metros, possui uma copa ampla e arredondada cujas folhas vivem 3 a 4 anos.
Novembro é o mês em que o seu fruto- a bolota- amadurece e cai.
As bolotas apresentam uma grande riqueza, quer para a fauna selvagem que dela se alimenta, quer para a alimentação especificamente do gado suíno.
A principal utilização das azinheiras passa pela produção de frutos para alimentar os conhecidos porcos pretos que produzem um presunto de alto valor comercial- o presunto para negra.
Mas as bolotas não se destinam apenas ao gado, servem também para consumo humano.
De sabor doce foram durante muito tempo utilizadas como alimento humano.
Eram misturadas com trigo e outros cereais para se fabricar pão, sendo por vezes assadas tal como as castanhas.
O valor da azinheira advém não só do seu fruto, mas da própria madeira que fornece. Dá uma óptima lenha e carvão.
SOBREIRO
É devido à cortiça que o sobreiro tem sido cultivado desde tempos remotos. A extracção da cortiça não é(em termos gerais) prejudicial à árvore, uma vez que esta volta a produzir nova camada de "casca" com idêntica espessura a cada 9-10 anos, período após o qual é submetida a novo descortiçamento.
A finalidade da cortiça é o fabrico de isolamentos térmicos e sonoros de aplicação variada, mas especialmente na fabricação de rolhas para engarrafamentos de vinhos.
Portugal é o maior produtos mundial de cortiça.
O fruto com outros carvalhos é a bolota.(Wikipédia)


                                      
                                       E,  quando,manhã alta,o sol posponte
                                        A oiro a gieste, a arder,pelas estradas,
                                        Esfingicas,recortam desgrenhadas
                                        Os trágicos perfis no horizonte !

                                         Almas iguais à minha, almas que                                                      imploram
                                         Em vão remédio para tanta mágoa ! 
                                          Arvores ! Não choreis! Olha e vede:
                                          -também ando a gritar, morta de sede,
                                           Pedindo a Deus a minha gota de água




                                         Oh! pródigas tranquilas oliveiras


AZINHEIRA
                            Diário do Alentejo -23/11/2018

Sem comentários: