terça-feira, 16 de junho de 2009

A NOSSA "CASA DO ALENTEJO" EM LISBOA









A NOSSA CASA DO ALENTEJO EM LISBOA











É a nossa casa em Lisboa mas você pode lá ir quando quiser...........

........é sempre bem vindo, mesmo que não seja alentejano.














Na Rua das Portas de Santo Antão, em Lisboa, o Palácio Alverca alberga a Casa do Alentejo, importante ponte entre o Alentejo e os alentejanos espalhados pelo mundo. Personificando uma obra de mérito, promove, a cultura alentejana, através de inúmeras actividades, entre elas a gastronomia. Também organiza convívios, lançamento de livros, sempre tendo em conta como tema central o Alentejo. Pelo Pátio Árabe já passaram dezenas de exposições ligadas à Região. Entre os projectos destaca-se a Bienal de Artes do Alentejo, cuja primeira edição foi em 1997, e já movimentou mais de 400 obras, entre esculturas, pinturas, cerâmica, joalharia, tapeçarias, gravuras e fotografias; a criação do Prémio Casa do Alentejo, em 1997; e a edição da Revista Alentejana.
 _____________________________________________________                  
PALACIO ALVERCA
O Palácio Alverca(também designado como Antigo Palácio Pais do Amaral, Antigo Palácio São Luis e Casa do Alentejo) é um palácio localizado na freguesia de Santa Justa, em Lisboa.
É um edificio classificado com Em Vias de Classificação pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectonico e Arqueológico.
Teve a sua construção no final do Sec.XVII. De referir que o Palácio pertenceu à família Paes de Amaral. A designação Palácio S. Luis advém do facto de se encontrar diante da Igreja com essa invocação.
No edificio chegou a funcionar um liceu e um armazem para mobiliário. Já no ano 1919, nele esteve instalado um dos primeiros casinos da cidade de Lisboa, o Magestic Club. Nessa altura o edificio sofreu grandes alterações, sendo que as decorações interiores ganharam um estilo revivalista. A reestruturação durou até 1919 e foi dirigida pelo arquitecto Antonio Rodrigues da Silva Junior.Participaram muitos artistas e artesãos, entre os quais Benvindo Ceia, Domingos Costa,José Ferreira Bazalisa e Jorge Colaço.
Em 1932 o Grámio Alentejano instalou-se no local, Posteriormente, em 1981 a Casa do Alentejo adquiriu o imóvel.
O Palácio apresenta uma planta quandrangular e três pátios. No interior existem elementos de azulejaria, com destaque para as salas do restaurente. Contem peças neo-góticas, neo renascentistas, neo rococós e de Arte Nova, assim como elementos do Barroco.
(Wikipédia)














A nossa Casa do Alentejomesmo na Baixa Lisboeta:-

 Portas de Santo Antão


É Apenas isto..................................................Linda

______________________________________________________________________________________

Em 1990 tive o prazer de expôr uma série de aguarelas, no bonito Pátio Árabe.  
                    






Uma bela recordação......


___________________________


______________________________________________________
UM CERTO TOQUE ÁRABE
O edificio que alberga a Casa do Alentejo desde 1932 é uma das mais notáveis obras de arquitectura lisboeta do Sec.XVII. Construido sobre um troço de muralha fernandina, o imóvelo foi mandado edificar pelos viscondes de Alverca, familia que o ocupou até 1910, altura em que, por força da implantação da República, teve de abandonar o país.
Sete anos mais tarde, após um periodo em que serviu para albergar uma estãncia de madeiras, o Palácio Alverca foi arrendado a dois empresários que ali criaram um dos primeiros "clubes de recreio e jogo"existentes na capital: o Majestic. O arquitecto Silva Junior, um dos mais conceituados profissionais do rpincipio do século, dirigiu as profundas obras de remodelação, sendo o responsável pela transformação do antigo Páteo das Cocheiras no actual Páteo Árabe, um dos ex-libris da Casa do Alentejo.
Mas as coisas não correram bem aos proprietários do Majestic, que poucos anos mais tarde o encerraram, Surgiu então o Monumental Clube de Lisboa, um dos maiores centros da boémia alfacinha da década de 20, mas que, apesar do sucesso inicial, veio também a encerrar as suas portas em 1930.
Dois anos mais tarde o Palácio Alverca foi arrendado ao então denominado Grémio Alentejano, antiga denominação da Casa do Alentejo, tendo sido adquirido apenas em 1981 por 4 mil contos a Adriano Pais de Amaral Coelho, descendente dos Viscondes de Alverca e seu ultimo proprietário.
Situada na Rua das Portas  de Santo Antão, a meio caminho entre o Rossio e o Coliseu dos Recreios, A sede da Casa do Alentejo é uma das raras obras de estilo árabe existente em Portugal, merecendo especial relevo as suas arcarias suportadas por colunas de mármore de ccor verde, os varandins de estilo bem andaluz, o rendiulhado da decoração das paredes, bem como os azulejos policromados e os lantrenins de tipo oriental. Um toque árabe é sentido igualmente no vestibulo e na escada de acesso ao piso superior, destacando-se as colunas de mármore encimadas por capitéis dóricos, para além de um friso ornamentado por caracteres em lingua árabe com temas do Alcorão.
O andar superior do antigo Palácio Alverca é igualmente digno de registo. Destaca-se a antiga sala de jogos que, em 1918 foi decorada com azulejos de Jorge Colaço e que reproduzem cenas de feiras e romarias. As antigas salas de estar, que entretanto deram lugar às salas de televisão e bilhar, são também decoradas com azulejos do mesmo artista, descrevendo cenas dos "Lusiadas" e de caçadas reais,
Notáveis são também os salões nobres da Casa do Alentejo, um em estilo neo- renascentista e outro em estilo Luis XVI. Nestre destacam-se as telas românticas dos topos e do tecto, com temas mitológicos da autoria do pintor Domingos Costa.
Foi a partir de 1980 que grande parte das instalações da Casa do Alentejo sofreram profundas obras de restrauração e recuperação, nomeadamente  as salas contiguas ao Pátio Arabe. e os gabinetes. Embora ainda haja muito por fazer, o palácio que hoje alberga a Casa do Alentejo é bem um exemplo de trabalho cuidado na preservação do nosso património Cultural.
Vale a pena ir até lá.
(Do suplemento do jornal TAL & QUAL - Edição nº 710 de 28 de Janeiro de 1994)

Sem comentários: